alto-falante

camarneiro

Posted in família by Fabio Camarneiro on 26/09/2009

brasao_bandeira

Camarneiros, uni-vos!

Sempre tive muita curiosidade sobre a origem de meu sobrenome português (ou “apelido”, como dizem por lá). Porém (mea culpa) nunca fui muito atrás disso.

Um dia, ao colocar “Camarneiro” em alguns sites de busca, em meio a alguns registros de Camarneiros (todos nascidos no final do século XIX, em Febres, Cantanhede, Coimbra, Portugal) deparei-me com um registro que especialmente chamou minha atenção.

Meu pai.

As informações estavam corretas e, segundo a página, foram cadastradas por um membro da LDS Church (Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, ou Latter-Day Saints).

Depois, com mais meia dúzia de cliques, descobri a freguesia de Febres. E, ao seu lado, outra freguesia mais recente, chamada (pasmem) Camarneira.

Parece que o sobrenome dos parentes nascidos em Febres, a princípio, se refere a lugares que, mais tarde, seriam promovidos à tal freguesia. Vale lembrar que, em Portugal, freguesia é o nome das menores divisões administrativas de um concelho (ou município). Como uma subprefeitura ou um distrito no Brasil.

A freguesia de Camarneira possui um site (no qual se encontram o brasão, a bandeira e o selo que ilustram este post).

Lá, explica-se também a origem do nome:

Camarneira é topónimo de algo rara ocorrência, podendo eventualmente aludir a uma circunstância local relacionada com suposta abundância de produção hortícola leguminosa, já que aquele termo se constituirá como provincianismo que exprimirá, em relação às plantas leguminosas que ostentam expressiva fartura de vagens.

Camarneira é local antigo integrado nos domínios do Frades Crúzios que no tempo da Fundação da Nacionalidade, (D. Afonso Henriques), viviam no Mosteiro de Santa Cruz em Coimbra. O nome Camarneira terá vindo de Câmara + areia, pela proximidade que noutros tempos existia com a areia do mar. Depois, pelas alterações linguísticas, ficou Camarneira.

Mas essa explicação não convence muito. Por séculos, a península ibérica foi dominada pelos árabes, e “Camarneiro” parece soar um pouco mouro. Basta lembrar do nome de Ali Khamenei, aiatolá e ex-presidente iraniano.

A origem do nome deve estar em outro lugar.

Meus queridos parentes de sobrenome Camarneiro, quem tiver outras informações sobre a família, favor encaminhá-las a este blog.

Advertisements

5 Responses

Subscribe to comments with RSS.

  1. Vítor Camarneiro said, on 28/09/2009 at 3:45 pm

    Caro amigo Fábio Camarneiro,

    Ao ler a sua mensagem no seu blog, senti-me tocado e obrigado mesmo a dizer-lhe o quanto também a mim me supreende existir tão raro apelido em terras tão distantes…

    Sabe, é que o meu pai Armando de Jesus Camarneiro (já falecido) nasceu na localidade de Serredade, a 1 km apenas da Camarneira, casou com minha mãe, do vizinho lugar de Chorosa, pertencentes ambos os lugares à freguesia de Febres. Foi aí que eu vivi até há 20 anos atrás.

    O apelido Camarneiro, sendo invulgar e difícil de pronunciar e de fazer entender, é muito comum na freguesia de Febres e mesmo no concelho de Cantanhede. Fora desta zona, torna-se raro de encontrar.

    Posso ainda dizer-lhe que tenho 2 tios (um irmão e uma irmão do meu pai) vivos, um deles que reside no lugar de Serredade.
    Há poucas semanas fui visitar minha tia, que me contou algumas coisas da sua infância. Disse-me ter tido um irmão que algures na década de 30 (1930) emigrou para o Brasil e nunca mais deu notícias. Será esse um familiar seu ? Não registei o seu nome, mas poderei sabê-lo.

    Dipsonha, caso pretenda outras informações que lhe possa dar.

    Saudações amigas,

    Vítor Camarneiro

  2. Fabio Camarneiro said, on 29/09/2009 at 3:15 pm

    Caro Vítor

    É com muita alegria que recebo sua mensagem.
    Estou cada dia mais curioso pela origem do apelido Camarneiro (ou sobrenome, como dizemos aqui no Brasil).
    Os Camarneiros que vc encontra em uma pesquisa do google são, na grande maioria, residentes em São Paulo, filhos e netos de imigrantes que aqui chegaram em meados dos anos 1930.
    Entre eles, meu avô paterno, Armênio Francisco Camarneiro. E também alguns irmãos dele, dos quais pouco sei, exceto por Amélia Camarneiro, que ainda vive e a quem pedirei mais informações sobre essa época distante.

    Muito me alegrou sua mensagem. Em meu facebook, também me escreveu um certo Luís Camarneiro, que não sei se é seu familiar.

    Tentemos descobrir qual nosso laço de parentesco.

    Um abraço do

    Fabio Camarneiro

    • Tara Candido said, on 31/01/2013 at 3:38 pm

      Tenho um amigo que se chama Mario Camarneiro que nasceu na Serredade

  3. Leandro Camarneiro said, on 08/09/2010 at 2:55 pm

    Caro amigo Fábio Camarneiro não é que hoje me pus a pesquisar sobre a origem do meu apelido e me deparei com este facto curioso:

    O meu pai é Alcides da Cruz Camarneiro, nascido igualmente na Aldeia de Serredade pertencente a freguesia de febres. O meu avô Chamava-se Manuel Augusto Camarneiro e a minha avó Laura da Cruz Lote sendo os dois originarios da propria serredade e também sempre lá viveram até falecer a coisa de 8 anos….
    Ia lá de férias muitas vezes a até com bastante frequência até aos meus 17 anos sensivelmente.

    O apelido Camarneiro, e realmente mesmo muito invulgar, difícil de pronunciar e de fazer entender sendo como o Fábio referiu raro de encontar fora desta zona. Eu chamo me leandro idálio Roças Camarneiro e já tive muitos problemas por causa de tão estranho nome…=)

    Posso dizer-lhe que tenho 2 tios (dois irmãos meu pai) vivos, um deles que reside na camarneira e outro na pontinha também pertencentes a freguesia de Febres.

    Só estou a escrever porque fiquei mesmo muito surpreendido por afinal existir tanta gente com este apelido estranho e quem sabe até familiares….
    Dipsonha, caso pretenda outras informações que lhe possa dar.

    Saudações amigas,

    Leandro Camarneiro

  4. Project Yesterday said, on 10/04/2013 at 9:46 am

    Tenho ascendentes da minha família, na localidade de Boavista, Leiria, que remontam ao século XVIII, século XIX. Como os registos não vão além destas datas, fico sem saber se a sua proveniência era dos arredores de Coimbra,


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: